quarta-feira, 11 de junho de 2014

No final das contas

E no final das contas
Não fui percebida
De nada valeram meus cuidados
Estar ao lado foi ser sombra

E no final das contas
Sou vencida por outro sorriso
Por algumas palavras rasas
Por uma jovialidade que já não possuo

Eis que corto pela raiz
A flor que nascia tímida
Pois não há terra que sustente
Um crescimento tão desprezado

Atribuíram todos os nomes
Amizade, amor, desespero
Mas mal tive tempo de descobrir
Pois não se conquista terra dominada

E no final das contas
Eu agradeço pelos poucos momentos
E desejo que encontre
Uma boa companhia para os maus dias

Uma companhia que ofereça mais
Mais atenção, mais diversão, mais tesão
Que tenha o mistério e os desafios que gosta
E que seja bela, no final das contas...

Nenhum comentário:

Postar um comentário